A PRINTER – A PIONEIRA DAS CORRIDAS DE RUA NO BRASIL

Por: Eleonora Mendonça

Em 1978, Eleonora Mendonça e Paulo Cesar Teixeira formaram uma empresa especializada em organização e divulgação do esporte (de corridas de rua) – Printer, Promoções Internacionais.    

 

Quando a ideia da Printer se formou, Eleonora estava morando em Boston, competindo em corridas em várias regiões do país e na Europa. Como atleta do clube Cambridge Sports Union em Massachusetts que muitas vezes organizava corrida locais, Eleonora por diversos momentos deixou o papel de corredora para fazer o papel de organizadora.  A sua experiência de atleta e organizadora alinhada com a formação administrativa de Paulo Cesar, conduziram a PRINTER a um pioneirismo inigualável na área esportiva, social, cultural e empresarial.      

 

Em julho de 1978, a PRINTER organizou e realizou a primeira corrida de rua aberta a todos - Corrida de Copacabana – 8 km. Este foi a primeiro evento esportivo no Rio de Janeiro o qual o percurso da prova (Av. Atlântica) foi fechado para carros. A PRINTER introduziu a premiação masculina e feminina na geral e por faixa etária – categoria senior (30-39 anos), infanto juvenil (14-18 anos), veterano (40-49 anos), superveterano (acima de 50 anos) para as provas mais longas.  Nas provas de distancias menores a faixa etária era de 5 em 5 anos a partir dos 20 até os 60 anos.

 

Em outubro do mesmo ano, a PRINTER realizou sua segunda corrida - Corrida do Guanabara - no Aterro do Flamengo na distância de 5 km. Novamente o percurso Aterro do Flamengo e Praia de Botafogo (do Museu de Arte Moderna ao Clube Guanabara) é fechado para o trânsito de carros durante a prova. Nesta corrida camisetas comemorativas foram dadas a todos os participantes, sendo este um detalhe pioneiro na história das corridas de rua. 

No dia 31 de dezembro a Printer organizou a I Corrida dos Veteranos aberta aos homens acima de 40 anos e as mulheres de qualquer idade.

 

Em 1979, a PRINTER abriu o calendário de corridas com “1ª Corrida Rústica Internacional” depois batizada como Corrida Internacional Leblon-Leme de 8 km, que contou com a participação de vários corredores estrangeiros. Em junho, a PRINTER realiza a primeira Meia Maratona como preparação para a maratona no mês seguinte. No dia 29 de julho com largada e chegada na Escola de Educação Física do Exército na Urca a PRINTER realiza a primeira Maratona do Rio de Janeiro, com percurso ao longo das praias da cidade.

A PRINTER realiza a II Corrida de Copacabana no mesmo percurso ao de 1978.

 

Durante o calendário do ano de 1979 a PRINTER também realizou corridas em locais diversos e distancias variadas como a “Corrida das Paineiras”, “Corrida de São Conrado” e “Corrida Volta a Lagoa”.

Com o objetivo de introduzir as crianças e aos jovens, o esporte da corrida como uma atividade saudável a PRINTER realiza a primeira corrida para crianças no 'caminho do bondinho', no Aterro do Flamengo, atual ciclovia.  As distancias eram de 500 a 3000 metros de acordo com a faixa etária – de 5 a 13 anos.

  

O calendário do ano fecha com a “Corrida Hotel Nacional – Leme” de 12 km aberta a todas as mulheres e aos homens acima de 35 anos.

 

Ainda em 1979, respondendo ao interesse que o esporte já despertava, a PRINTER publicou a primeira revista de corrida do Brasil – A CORRIDA. Neste mesmo ano, a empresa começou a confecção das primeiras roupas de corrida no Brasil. Yllen Kerr, jornalista, e redator da revista A Corrida lançou o primeiro livro de corrida no Brasil – CORRA PARA VIVER.

 

Em 1980, a segunda corrida internacional passou a se chamar “Corrida Internacional Leblon-Leme”, realizada no primeiro domingo de janeiro. Participaram corredores de mais de nove países. 

                                                                                                                                                         

Com o seu pioneirismo a PRINTER realizou a primeira corrida feminina na América Latina - Corrida Feminina Avon - no Rio de Janeiro. No dia 8 de Junho de 1980, mais de 300 corredoras alinharam na faixa de largada no final do Leblon aguardando o tiro de largada do Prefeito Julio Coutinho para percorrer os 5 km ao longo das praias do Leblon, Ipanema e Arpoador até a chegada no posto 6 em frente ao clube Marimbás. Como parte do evento, a PRINTER realizou um simpósio na véspera da corrida que teve a participação de vários palestrantes e que contou com a presença da Kathrine Switzer, mais conhecida como a mulher que quebrou a barreira feminina na maratona. No simpósio foi entregue um kit de corrida que havia além do número e instruções de corrida, diversos produtos da patrocinadora – Avon.  A entrega de brindes aos participantes e medalhas de participação a todos que terminavam a prova foram introduzidos nesta corrida pela primeira vez no Brasil.

 

Os eventos da Maratona, Meia Maratona, Corrida de São Conrado, Corrida das Paineiras, Corrida das Crianças e Volta a Lagoa tem a sua segunda edição. A III Corrida de Copacabana é realizada em julho de 1980, como nos anos/edições anteriores.  A Corrida Hotel Nacional – Leme passa a ser chamada Corrida dos Veteranos e é realizada no último domingo do ano fechando o calendário.

Em 1981, o calendário de corridas da PRINTER tem 13 provas, com a inclusão da Corrida Floresta da Tijuca e a Corrida de Niterói. A II Corrida Feminina Avon foi realizada em São Paulo, com 1.500 corredoras e teve como prêmio de primeiro lugar a passagem (e hospedagem) para disputar a IV Maratona Internacional Feminina Avon em Otawa, no Canadá.

 

O Jornal do Brasil aderiu à maciça cobertura das corridas de rua e lança a Revista Viva.

 

Em 1982 a PRINTER lançou o Circuito de Corridas Printer com pontuação em suas provas. No calendário foi incluído a Corrida de Nova Iguaçú de 8km, a Subida do Alto (da Boa Vista) de 5 km e a Corrida de São Conrado de 10 km. Os vencedores masculino e feminino receberam passagem e hospedagem para participar da Maratona de Boston em abril de 1983.

 

A PRINTER ofereceu pela primeira vez premiação para equipes masculina e feminina.

Algumas das primeiras equipes a participarem em corridas de rua foram as das Casas Pernambucanas, Mesbla, Scholl, ADPM, Power (fábrica brasileira de sapatos de corrida), Quantur (agência de viagens), Gráfica Portinho Cavalcanti, Casas da Banha, Lojas Sir, Ticiano e Clube Santa Luzia.  As academias aderiram ao movimento e assim como as firmas e clubes formaram equipes que disputaram numa categoria diferenciada. Algumas das primeiras academias foram Academia Haroldo Ledo, Academia Paulo Balthar, Academia Shidokan, Academia Studio 5, Academia Julio Veloso e Clube de Ginástica Corpore.

Com o aumento dos adeptos de corrida as empresas começaram a investir no esporte.

Um dos primeiros patrocinadores foram a Coca-Cola, Semp Toshiba, Adidas e a Power.

 

Neste mesmo ano a PRINTER com o patrocínio das Casas Sendas organizou o Circuito de Iniciantes criando oportunidades de revelação para o 'futuro' corredor.  A primeira das nove corridas foi Corrida Aeroporto/Praia Vermelha de 7 km em dezembro e a última foi em janeiro de 1984.  Os vencedores do circuito masculino e feminino com o apoio da Quantur ganharam passagem de ida e volta para Salvador.

 

Em 1982 a revista A Corrida começou a fazer parte do acervo da Biblioteca Internacional de Corredores (USA).

 

O Jornal do Brasil, que aderiu à maciça cobertura das corridas de rua, lança a Revista Viva, onde explora o assunto de forma menos técnica do que A Corrida, da Printer, porém incorpora as influências que as corridas de rua trouxeram ao comportamento do carioca. 

A PRINTER além de organizar, começou a prestar consultoria técnica para as corridas promovida por organizações, firmas e instituições assim como Jornal O Globo, as lojas Mesbla e Carrefour, a ACM (Associação Cristã de Moços) entre outros.

 

O Circuito Avon se expandiu pelo Brasil e em fevereiro de 1984 já na sua 8ª edição voltou ao Rio de Janeiro com a distância de 6 km. no Aterro do Flamengo. A prova com quase mil inscritas, foi a segunda de uma série de quatro Corridas Femininas Avon que ofereceria a vencedora do circuito uma passagem aérea para participar da Maratona Internacional Feminina Avon de Paris, em setembro.

 

Um dos objetivos da PRINTER era de proporcionar aos adeptos de corrida uma atividade saudável e para o corredor uma oportunidade de competição do melhor nível técnico. 

 

Para atingir esta finalidade, a PRINTER proporcionou corridas com distancias e locais variados, premiações individuais e por equipes e também organizou corridas para crianças, mulheres e veteranos. 

Outras corridas diferenciadas foram as Corridas para Iniciantes e as Corridas de Academia.  Acompanhando o crescimento de corridas a PRINTER introduziu premiações além da categoria aberta, categorias por faixa etária de 5 em 5 anos, masculina e feminina. A PRINTER também foi a primeira a reconhecer o mérito de participação ao dar medalha e certificado de participação com tempo e colocação na geral e na categoria a todos que terminavam suas provas.

A Printer fazia a organização técnica como também a divulgação dos seus eventos. Em poucos anos a Printer aumentou o número de adeptos em corridas despertando o interesse da mídia que consequentemente atraiu organizações, clubes, empresas etc. para o movimento de corrida seja como patrocinador, organizador ou mesmo participante.

 

A PRINTER fez nascer o movimento de corridas no Rio de Janeiro que se espalhou em pouco tempo pelo Brasil. As corridas da PRINTER tiveram um nível técnico de organização igualada a muitas corridas nos Estados Unidos. Suas inovações técnicas foram mais tarde implementadas e desenvolvidas por outros organizadores.  

 

A PRINTER marcou história sendo a primeira empresa a:

 

  • organizar corridas de rua abertas ao público, a todos os interessados;

  • premiar por categorias de 10 em 10 anos e de 5 em 5 anos;

  • dar camiseta comemorativa da corrida aos participantes;

  • dar brindes no kit de corrida;

  • dar medalha aos participantes que terminavam a prova;

  • dar certificado de participação com tempo e colocação na geral e na categoria a todos que terminavam suas provas;

  • dar o resultado (tempo e colocação) no final da prova;

  • realizar um simpósio na véspera da corrida;

  • dar premiação em viagem;

  • realizar uma corrida de crianças;

  • realizar (na America Latina) uma corrida feminina;

  • publicar uma revista de corrida;

  • confeccionar roupas de corrida para homens, mulheres e crianças.

 

Após 6 anos de pioneirismo no Brasil em organização, promoção e divulgação de corridas de rua, em confecções de roupa de corrida e em publicação de revista de corrida, a Printer passa o bastão a outras empresas para continuar o trabalho e o seu legado. Eleonora continua competindo internacionalmente e aceita a posição de treinadora das equipes de atletismo e de cross-country da Universidade - Simmons College - em Boston. Paulo Cesar começou a trabalhar na Datamec no setor de informática. 

 

Em 2017 Eleonora e Paulo Cesar juntam forças novamente e com outros associados formam o Instituto Eleonora Mendonça que tem como um dos objetivos a preservação e a divulgação do histórico das corridas de rua no Brasil.