Melânia Luz.jpg

Melania Luz

Foi a primeira atleta negra brasileira a participar nos Jogos Olímpicos – Londres 1948.

Participou de seis Campeonatos Sul Americanos de 1947 a 1958, tendo subido ao pódio em seis eventos. Foi recordista Sul Americana.

Em 2022 ela recebeu a indicação para integrar o Hall da Fama do Comitê Olímpico Brasileiro.

 

Erica Lopes Silva

Conhecida como Gazela Negra ao dominar os eventos de velocidade, foi recordista Sul Americana em 1963 nos 100m, 200m e nos 4x100m. Inclusive, está na Calçada da Fama do Clube de Regatas do Flamengo.

Participou dos Jogos Pan Americanos de 1963, realizados em São Paulo, conquistando a medalha de bronze nos 4x100m. Ela venceu várias vezes o Troféu Brasil, como atleta e como técnica.

.

 

Silvina Pereira

Estabeleceu sete recordes sul americanos nas três edições que participou: 100m (3), 200m (2), 4X100m (1) e salto em distancia (1).  Foi a primeira brasileira a saltar acima de 6m no salto em distância.

Nos Jogos Pan Americanos de 1971 obteve a segunda colocação no salto em distância, e foi quarta colocada nos 100m, estabelecendo o recorde brasileiro. Nos Jogos de 1975 foi medalha de bronze nos 200m e quarta no salto em distância. 

Participou dos Jogos Olímpicos de Montreal, em 1976, chegando nas semifinais nos 200m e no salto em distância.

 

Conceição Geremias

A atleta mais condecorada e de maior participação nos Campeonatos Sul Americano, Jogos Pan Americano e Jogos Olímpicos.  Ao longo dos 25 anos de carreira (1972 a 1995) na categoria juvenil e aberta (adulto) foi campeã mundial, campeã e recordista nos Campeonatos Sul Americanos e campeã nos Jogos Pan Americanos.  Sua versatilidade atlética é inigualável competindo nos seguintes eventos: 100, 200, 400, 400 c/ barreira, 4x100, 4x400, salto em distancia, salto em altura, salto triplo, salto c/ vara, pentatlo e heptatlo obtendo pódio em todos.  Participou nos Jogos Olímpicos de Moscou-1980, Los Angeles-1984 e Seul-1988.

 

 

Eleonora Mendonça

Como corredora, ela teve uma carreira excepcional.  Ela levou o nome do Brasil às mais importantes competições internacionais. Além de ter sido a primeira brasileira a correr uma maratona olímpica, deteve recordes brasileiros em todas as distâncias de 1.500m até a maratona. Eleonora obteve as melhores colocações nas maratonas de Boston (7º) e Nova York (5º), duas das provas mais importantes do mundo, e foi a melhor atleta brasileira em três edições da Corrida de São Silvestre

Como ativista, lutou pela igualdade de eventos no atletismo, tendo, inclusive, tomado posições drásticas para garantir o seu direito de participação na maratona feminina das Olimpíadas de Los Angeles, uma vez que já havia vencido a seletiva e obtido o critério olímpico.

Eleonora presidiu o Comitê Internacional de Corredores, organização que trabalhou para a inclusão de eventos femininos de longa distância nos Jogos Olímpicos. Ela faz parte do seleto grupo de atletas de vários países que participaram desse movimento e é reconhecida como uma das Primeiras Damas (First Ladies) das corridas.

Empresária, sócia fundadora da Printer Promoções Internacionais, Eleonora organizou em 1980, a primeira corrida feminina na América Latina, sendo também pioneira ao publicar a primeira revista de corridas no país – A Corrida – e também ao confeccionar e comercializar as primeiras roupas especificamente de corrida, para homens, mulheres e crianças.

Em janeiro de 2017 fundou o Instituto Eleonora Mendonça, que tem por objetivo resgatar, preservar e divulgar a história do atletismo, atuar no presente e pensar o futuro do esporte no Brasil, através de ações esportivas, culturais e sociais.

Érica Lopes.png
ConceicaoGeremias.png
ConceicaoGeremias(2).jpg
Eleonora Mendonça.jpg